Exausta.

Por algum motivo que não faz parte do meu acervo de compreensões, quando me dizem que você não me rejeita, eu não acredito. E acho mesmo, do fundo do meu coração, que você podia ajudar. Porque ta me dando muito trabalho. O esforço em procurar a elegância no meio da minha bagunça, a cruzada de pernas pro seu lado e supor que você gosta de unhas vermelhas quase cor-de-vinho, quadradinhas e num tamanho médio. Eu fico confusa quando você elogia a moça dos cabelos lisos e no dia seguinte defende os encaracolados comigo numa conversa despretensiosa que durou a tarde toda. E se você finge que eu sou melhor que aquela menina dos peitos grandes, o que eu penso? Que atingimos um nível de amizade onde você supõe que não vou mais levar nada para o outro lado? Ou que na verdade você não está fingindo? Numa boa, eu posso lidar com o fato de que não sou para você. Ok, fico bem com isso. Estou pré-psicologicamente-preparada (sic) para ser rejeitada por você. Não sei falar de política, não tenho os tais cabelos lisos, não tenho as pernas dela, não sou forte como você e me sinto burra ao seu lado. Não decidi o que eu quero pra minha vida, não tenho planos para o ano que vem e as minhas finanças são uma bagunça. Não tenho certeza se sou boa de cama, não tenho opinião formada sobre muitas coisas e o pior de tudo é que algumas vezes não faço mesmo questão de ter. Eu tenho bafinho pela manhã, acordo descabelada, meus pés são feios e meus pêlos das pernas encravam. Eu me rejeitei para você. Percebeu? E inventei uma entidade sua só pra mim. No meio do dia penso que vai rolar e saio de órbita quando vou ser surpreendida. Porque a minha entidade sua (sic) vai fazer o que você não consegue. Eu olho pra ela e digo que você é chato. Que não é tão bonito e que tem obturações feias nos dentes (que eu só não consegui ver ainda). Que o seu charme passa. Que as suas músicas devem ser tão cansativas quanto seus filmes, e que você não deve saber cozinhar. E se homens se dão ao luxo de ter suas preferências ridículas, a minha é essa: você só serve se cozinhar pra mim enquanto eu espero no quarto como uma lady. As suas flores não devem ser amarelas. Você não vai entender minhas lágrimas e não vai aceitar meus ossos quebrados. Outro dia me peguei brigando com a entidade, porque você vai me deixar falando sozinha. Vai dizer uma meia dúzia de palavras definitivas enquanto eu penso em duzentas outras que não querem definir nada. E todos os dias a entidade senta ao meu lado na cama e, antes que ela me diga qualquer coisa, eu me viro para a parede e te rejeito. E você evapora, pra voltar no outro dia e implorar pra eu te deixar ficar. Sou muito difícil, mas posso até pensar no seu caso.

Anúncios

0 Responses to “Exausta.”



  1. Deixe um comentário

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s




O que tem aqui

Diálogos, monólogos, conversas, crônicas, histórias malucas e talvez, quem sabe, até reais, de uma cabeça bem esquisita.

%d blogueiros gostam disto: