Menos um.

A porta ta aberta e isso não é um convite.
To te mandando embora, sem cerimônias.

E você pode ir assim. Sem dar uma desculpa. Sem sair pela tangente.
Antes que você tenha que pensar num jeito de sair quando o assunto acabar, eu to te dando a oportunidade de tornar isso bem mais simples. Não que você tenha escolha. É só um jeito diferente de ver as coisas, se ainda tiver como deixar isso agradável pra alguém.

Não quero conviver com seu egoísmo. Não quero ter data e nem hora pra acabar. Não quero essa frieza absurda que eu não entendo como é que todos vocês conseguem ter. Não quero entrar na sua vida já pensando em sair. Não quero uma conversa burra, não quero um beijo de mentira. Não quero um diálogo que não existe. Não quero ouvir como é difícil pra você, se você não consegue perceber o quanto é difícil pra mim. Não quero te escrever textos. Não quero seus planos. Não quero seu zelo temporário. Não quero essa paranoia estúpida. Não quero me desgastar, não quero cair pra ter que começar a levantar mais uma vez. Não quero encontrar pedaços seus por aí. Não quero procurar pela sua inteligência. Não quero me esforçar pra admirar você. Não quero esperar por você. Por uma resposta, uma reação, uma conversa, uma desculpa, um sofrimento. Nem por uma culpa.

Tô te mandando embora porque você já é visita que passou da hora. Visita que não devia ter vindo. Visita que vem pra casa do parente pra não pagar hotel. Porque é conveniente. Não consigo me desfazer de tudo isso com você aqui. Então te mando embora.

E na hora que você sair, der três passos e olhar pra trás, eu vou olhar pra você e dizer: não importa o quanto eu insista. Não volte.

Anúncios

8 Responses to “Menos um.”


  1. 1 Vanessa Toores março 30, 2010 às 1:53 pm

    Lulu, c tá cada vez melhor!!! Gente, como eu me orgulho dessas meninas!
    Super beijão,
    Vanessa

  2. 2 Vanessa Torres março 30, 2010 às 1:57 pm

    Caramba, tô até mudando de nome…toores foi demais! rssrsr
    Não comentei, mas AMEI a do supermercado! isso dá um roteiro de VT premiável” Que tal um curta? quem se habilita?

  3. 3 Tiago Bezerra março 30, 2010 às 10:13 pm

    Sinceramente? PERFEITO!

  4. 4 Mariana Reis abril 1, 2010 às 2:22 am

    e a gente ainda sofre, ou pensa que sofre por pessoas tão insignificantes…

  5. 5 Fabi abril 1, 2010 às 3:36 pm

    reforço a mariana: ‘por pesssoas tão insignificantes..’

  6. 6 Ana Perim abril 7, 2010 às 12:51 pm

    Cai de paraquedas aqui e virei fã.
    Os textos são demais.
    Parabéns!

  7. 7 celma abril 22, 2010 às 5:28 pm

    Menos um? viu alguém aí? eu não.

  8. 8 Tathi agosto 6, 2010 às 1:52 pm

    É tudo o que eu queria dizer de vez em quando para algumas pessoas…
    Adorei!!!


Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s




O que tem aqui

Diálogos, monólogos, conversas, crônicas, histórias malucas e talvez, quem sabe, até reais, de uma cabeça bem esquisita.

%d blogueiros gostam disto: