Não é possível completar a chamada com o número discado.

Ele me ligou e perguntou porque eu estava indo embora.
Minhas amigas estavam conformadas, meus pais tinham aceitado, meus ex-namorados, ex-casos, ex-qualquercoisaqueagenteinventa não queriam nem saber. Até eu tinha desistido de me fazer essa pergunta. E no meio da correria, das caixas, das malas arrumadas, dos buracos sendo tampados pra esconder o tanto de prego e de quadros e de murais e de vida que passaram por aquele apartamento, ele, que nunca esteve por perto, me faz uma pergunta dessas. Fiquei segurando o telefone sem conseguir dizer o que disse pra todas as outras pessoas. E sem não-dizer o que eu não disse a mim mesma. Se eu disser que já terminei o que vim fazer aqui, você vai acreditar? Posso dizer também que foi uma proposta irrecusável. De trabalho, de casamento, de estilo de vida. Que encontrei o amor da minha vida, ou a felicidade, ou o lugar onde, pelo menos, a infelicidade não está. Posso dizer, já sei, que esse tipo de mudança faz parte da vida. Que é preciso saber a hora. Parece maduro, não?
Eu nunca entendi porque meu irmão foi embora. Nunca entendi porque a melhor amiga que eu já tive, quis, de uma hora pra outra, não fazer mais parte da minha vida.  E nunca perguntei pra nenhum dos dois onde é que eles estavam com a cabeça. E aí você decide me ligar e decide que pode querer saber o que nem eu sei. Ou o que não quero saber, pra não correr o risco de querer ficar depois de perceber que ir embora não vai resolver nada. Depois de todas essas linhas de silêncio, eu só consegui encerrar a ligação, implorando: Moço, eu nem sei o seu nome. Pelo amor de Deus, me deixa entregar a chave na imobiliária logo e ir embora desse lugar.

Anúncios

6 Responses to “Não é possível completar a chamada com o número discado.”


  1. 1 Priscila Perovano maio 18, 2010 às 3:18 pm

    Ai que legal, ai que legal. É bom quando a gente faz o texto já sabendo o final, né?

    Gente, eu acompanhei isso. Ela já sabia o final do texto antes de escrever o miolo. Um dia isso acontece comigo. 🙂

    Lindo, Lu.

  2. 2 kantega maio 18, 2010 às 3:19 pm

    heheh, bem melhor.

  3. 3 Fabi maio 18, 2010 às 3:57 pm

    deu vontade de ir embora….

  4. 4 Mariana Reis maio 18, 2010 às 4:10 pm

    A gente vive mudando por fora, com esperança que mude por dentro também. Mas eu ainda acho que é válido. Viver coisas novas, lugares novos, pessoas novas…Nunca vai apagar o que já aconteceu, mas que dá uma super renovada, isso dá.
    Achei o texto morno, até o fim…caramba! essa ultima frase mudou tudo! puts! FODA! Só a minha redatora predileta mesmo pra desconstruir e contruir foda assim!

  5. 5 Celma maio 20, 2010 às 5:39 pm

    viajar é preciso…..viver também é preciso.É que as vezes fica um pouco difícil. Ainda bem que nós,temos a estranha mania(santa mania)de achar que no final tudo vai dar certo e não é que dá?principalmente quando a gente não sabe o nome do moço.

  6. 6 Silvio junho 8, 2010 às 12:09 am

    Envolvente o texto. Nem vou mencionar o charmoso final.
    Boa redação. O corpo é gostoso. Parabéns!


Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s




O que tem aqui

Diálogos, monólogos, conversas, crônicas, histórias malucas e talvez, quem sabe, até reais, de uma cabeça bem esquisita.

%d blogueiros gostam disto: