Falsos cognatos

Eu desculpo quem esbarra em mim na rua. Desculpo quem erra o meu nome. Outro dia desculpei um rapaz que furou a fila. Mas ele era bonitinho. Fingiu que tinha sido sem querer e eu desculpei as covinhas e o cabelo desarrumado dele.

Eu desculpo quem me atende mal. Fico remoendo, mas acabo voltando se eles parecem arrependidos. Um dia contaram um segredo meu. Eu desculpei. Nunca mais contei outro, mas desculpei. Tá bom, né?

Mas e você? Você me desculpa o tempo todo. E vai me desculpar quantas vezes for preciso. Você foi o meu músico favorito e que cantava pra mim na hora que eu quisesse. Você não esbarra em mim na rua, não erra o meu nome e não fura a minha fila. Desculpar é o quê? Dizer que desculpa? Te desculpo. Nunca poderia não te desculpar. Mas não mudou nada. Vou dizer de novo: te desculpo. Viu? Nada aconteceu.

Sabe o que é? Não tenho uma solução pra isso. Queria que fosse tipo penitência. Vou te mandar dar três pulinhos, correr em volta do quarteirão, mastigar pimenta, sair na rua de pijama e ta tudo resolvido.

Isso deve ser como essas diferenças que a gente encontra o tempo todo entre coisas que parecem iguais. A diferença entre sentir falta e sentir saudade. Paixão e amor. Esquecer e não lembrar. Escutar e ouvir. Essa aqui é mais uma: eu te desculpo. Mas não consigo te perdoar.

Anúncios

3 Responses to “Falsos cognatos”


  1. 1 Ju Almeida. agosto 10, 2010 às 6:30 pm

    Te desculpo, mas não esqueço.
    O que não ajuda muito, pelo menos não pra mim.

  2. 2 celma agosto 24, 2010 às 5:50 pm

    Sei que as vezes não é possível,mas que tal não fazermos coisas que tenhamos que nos desculpar e pedir perdão tantas vezes?Dá trabalho,pois temos que cuidar de nós e dos outros.É um aprendizado.

  3. 3 Ricardo setembro 14, 2010 às 4:55 am

    As vezes quando a gente machuca alguem, fica cicatriz. A cicatriz fica pra sempre. Voce vai olhar pra ela e sempre lembrar o que a provocou.
    Mas cicatriz não dói. Isso é o bonito do perdão. Não tem como esquecer, mas quando você perdoa de verdade pára de doer.


Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s




O que tem aqui

Diálogos, monólogos, conversas, crônicas, histórias malucas e talvez, quem sabe, até reais, de uma cabeça bem esquisita.

%d blogueiros gostam disto: