30 puxões de orelha

Medo de envelhecer: não tenho, obrigada.
Sou 25 querendo ser 30 e achando essa a idade mais linda da vida.
E elas, de quase 40, me disseram,

Voce tá nessa fase, menina. Daqui a pouco voce vai ver, vai estar igual a gente, e nao é que a gente goste, a gente também não gosta não, mas o que é que vai fazer? Aí a gente sai com esses caras, que saem com todas nós e que um dia param de te ligar e você espera eternamente. E ele sabe, que quando te ligar, você vai. E você vai mesmo ué, o que é que vai fazer…

Minhas jovens, me desculpem. Não quero julgar a escolha de vocês, cada um nessa vida sabe o que vai esperar eternamente – e principalmente como vai fazê-lo. Mas eu, a de 25, quero ter a liberdade de, se é que vocês me permitem, acreditar que já não espero mais. Que sou a exceção e agora espero por ficar velhinha junto, por ter cachorros lindos numa casinha colorida, com cheirinho de comida e as mãos dadas cheias de rugas, sentados numa poltrona que só tem sentido ao lado da outra e tentando assistir o filme inteiro sem dormir. É isso o que vou fazer. Um beijo e boa sorte.

Anúncios

1 Response to “30 puxões de orelha”


  1. 1 Juliana Cogo janeiro 2, 2012 às 7:24 pm

    O problema está justamente no “espera eternamente. E ele sabe, que quando te ligar, você vai”. Não nisso em si, mas em todo um comportamento que justifica a outra pessoa não querer nada com você. Se você não se dá ao respeito e se não procura fazer algo diferente, não é uma pessoa interessante. Simples assim. 🙂


Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s




O que tem aqui

Diálogos, monólogos, conversas, crônicas, histórias malucas e talvez, quem sabe, até reais, de uma cabeça bem esquisita.

%d blogueiros gostam disto: